VEJA NOSSO

BLOG

Este espaço traz contribuições importantes para esclarecer sobre varios temas voltados para Alimentação e Saúde, novas descobertas e você pode interagir enviando sua opinião e questionamentos!

Alterações genéticas e predisposição a intolerância ao glúten.

@tatianebertolinutri

Atualmente, mais de 150 mil casos de reações imunológicas relacionadas com a intolerância ao glúten são registradas no Brasil. A doença celíaca é uma delas. Conhecida como doença autoimune causada pela inflamação contínua a ingestão da proteína conhecida por glúten, presente no trigo, no centeio e na cevada, alimentos tão comumente consumidos pela população. Sintomas como dores abdominais, de cabeça, náuseas, vômitos, distensão abdominal e má absorção de nutrientes, são comuns entre os celíacos e aqueles que apresentam intolerância ao glúten. Na doença celíaca, somente a exclusão total do glúten é o tratamento adequado, mas na intolerância, pode acorrer uma diminuição dos sintomas apenas quando raramente o glúten é usado.
 

A predisposição GENÉTICA é um fator de suma importância para desenvolvimento dos sintomas, o que pode ser evitado conhecendo a variação de genótipos envolvidos no metabolismo do glúten. Pessoas predispostas geneticamente possuem variações nos genes HLA-DQ2 E HLA-DQ8, que ativam as células de defesa CD4 no lúmen intestinal quando na presença do glúten, o que leva a toda a cascata inflamatória e a formação dos anticorpos que atacam as próprias células intestinais. Inclusive, quando para diagnosticar a doença celíaca e a intolerância não celíaca ao glúten, esses dois marcadores genéticos são os mais utilizados para confirmar diagnósticos, nos testes genéticos.
 

Já é cientificamente comprovado que os alelos DQ2 e DQ8 estão por trás da intolerância ao glúten em mais de 80% dos pacientes portadores dos mesmos, que em testes de ingestão de alimentos que continham glúten, apresentaram sintomas relacionados, como náuseas, diarreias e distensão abdominal, além de apresentarem a atrofia da mucosa intestinal.
 

Mesmo que os sintomas ainda não estiverem instalados, havendo presença da doença celíaca ou intolerância ao glúten em parentes de primeiro grau, recomenda-se o TESTE NUTRIGENÉTICO, para prevenção ou tratamento destes.
 

Fontes:
MEGIORNI, Francesca et al. HLA-DQ and risk gradient for celiac disease. Human
Immunology, [s.l.], v. 70, n. 1, p.55-59, jan. 2009. Elsevier BV.
http://dx.doi.org/10.1016/j.humimm.2008.10.018.
LABORATÓRIOS, Genomika. Intolerância a glúten:: Tipificação HLA locus DQ é
ferramenta mais indicada para detecção de Doença Celíaca. 2018. Disponível em:
<https://www.genomika.com.br/blog/intolerancia-a-gluten-tipificacao-hla-
locus-dq-e-ferramenta-mais-indicada-para-deteccao-de-doenca-celiaca/>.
Acesso em: 19 maio 2019.